Fala Werneck

@fala.werneck_reunidos

 

A saga “Imperdoáveis” é formada pelo paralelo entre divino e profano.

 

Hoje falarei um pouco sobre o início do terceiro livro da série, então já esteja avisado porque alguns spoilers estarão presentes.

 

Nos dois primeiros livros (“Imperdoáveis” e “Viciados”), a gente acompanha a vida da Clarissa, uma menina muito tímida e sensível, que nasceu com o dom da premonição; e a jornada do Daniel, seu anjo da guarda.

 

A amizade deles foi desenvolvida de uma forma tão singela, que criou um amor forte e sublime.

 

O tempo foi passando e o anjo aprendendo cada vez mais com a adorável menina mortal.

 

Só que a intensidade desse amor começou a criar ameaças e Daniel precisa tomar cuidado, já cometeu três pecados imperdoáveis e assim se aproxima cada vez mais de um destino infernal.

 

Para protegê-lo, Clarissa decide afastá-lo. E ambos sofrem muito com isso.

 

O terceiro livro já começa nos mostrando com o prólogo um lado do Daniel que ainda não conhecíamos; contando um pouco mais sobre a fatídica época antes do renomado Principado cometer o primeiro pecado imperdoável.

 

Logo depois, o impacto já é enorme com um primeiro capítulo intenso, emocionante, com cenas que me lembraram o filme “Constantine” e algo que mudará de vez a vida do Daniel.

 

Clarissa já é uma adolescente mais determinada agora, que faz coisas impulsivas, mas continua sentindo o mundo sobrenatural intensamente.

 

O carnaval chegou, as festas de rua agitam os ânimos e forçam os limites de anjos e humanos.

 

Qual perigo está se aproximando agora?

 

Terminei a amostra de leitura chocada e aflita para descobrir o que virá pela frente e como o Daniel e a Clarissa voltarão a se aproximar, como o próprio título do livro nos sugere.

 

Agora me conte, você já conhece a série?

Ficou curioso para ler?

Comentários (0)