Fala Werneck

@fala.werneck_resenhasem

 

Editora: Bem Cultural.

Páginas: 102.

 

Conversa especial

 

Poesia é uma conversa entre duas almas sensíveis.

 

“Semáforos Poéticos” é um livro de poemas da Catarina, que ela escreveu de uma forma cotidiana com a qual todos nós conseguimos nos identificar: em um bloco de notas no celular enquanto aguardava no trânsito para os compromissos do dia a dia.

 

O trânsito pode ser enlouquecedor, especialmente em cidades grandes, mas este livro nos mostra que sempre é possível aproveitar esses momentos (mesmo os que parecem irritantes perdas de tempo), basta tentarmos.

 

Poemas que falam sobre os sentimentos, alguns rituais e que trazem muitas reflexões.

 

O que alimenta a nossa alma? São tantas as possibilidades, né? Porque cada um tem gostos, preferências, prioridades.

 

Mas sentir e conviver são comuns a todos nós.

 

Diariamente lidamos com erros e acertos, momentos bons e ruins, pessoas com as quais nos identificamos e outras que não conseguimos compreender.

 

Por isso, é preciso aprender a desapegar, deixar passar o que não compensa e lutar pelo que merece nossa atenção.

 

E a autora também nos lembra que o mais importante não é o lugar, a paisagem que nos cerca, mas o modo de olhar.

 

As palavras possuem essa beleza especial de nos permitir transmitir ideias e sentimentos com carinho, delicadeza, força, intensidade. Cada combinação gera um conjunto de emoções singulares para cada pessoa.

 

Porque o que me comove pode ser natural para você e o que lhe toca pode me atingir de outra maneira.

 

Como não amar a poesia?

 

@fala.werneck_resenhaeun

 

Editora: Autografia.

Páginas: 110.

 

Sentir ou não

 

Vivemos uma época em que as pessoas estão sobrecarregadas, distraídas, esquecidas do que mais importa na vida…

 

Livros de poesia são especiais e singulares pelo olhar que expressam.

 

Esse do Luiz fala da vida, do ser humano, das relações e dos desafios também.

 

Os filtros controlam as imagens nas redes e criam mais máscaras do que jamais vimos.

 

Assim, as pessoas não se permitem expor quem realmente são, com falhas, defeitos e muito aprendizado pela frente. Só que isso faz parte de ser humano.

 

O poema que fala sobre máscaras logo me fez lembrar dessas questões.

 

Por isso, de que vale fingir tanto assim?

 

O poema que fala sobre envelhecimento é bonito por nos lembrar que mesmo o corpo perdendo algumas coisas com o passar do tempo, a alma aprende cada vez mais e isso que a transforma e faz evoluir.

 

Porque a vida não é muito fácil, ainda que existam coisas simples que nos ajudam a ter leveza no dia a dia. Mas algumas ventanias aparecem e nos atingem com força…

 

Diante disso, precisamos nos fortalecer, acolher o aprendizado e erguer a cabeça para seguir em frente.

 

Ainda que o mundo nos faça ficar ocupados e preocupados, podemos encontrar pausas, acalentos e desafios que nos inspiram.

 

“Eu nunca passei por essa rua” é um livro que nos faz refletir, encarar os defeitos da humanidade e lembrar que podemos fazer a nossa parte e tentar.

 

Enquanto há tempo, enquanto a vida nos alimenta, podemos acreditar e encarar os desafios.

 

Enxergar o que está ao nosso redor e descobrir o que essa percepção pode nos acrescentar.

 

Você conhece o autor?

 

Qual foi o último livro de poesia que leu?

 

@fala.werneck_alertaquotes

 

Melhores Trechos

 

“Agora, após a raiva e a frustração, ali, no calor das velas e do uísque, com um gato lânguido em seu colo, ela não aguenta mais manter a guarda cuidadosamente levantada.”

 

“Em suas memórias, tudo continua do mesmo jeito.”

 

Não sou a única com problemas, todos lutam contra os próprios demônios.

 

 

@fala.werneck_leiturasdejunho

 

Fiz tantas leituras incríveis em junho! 🙂

 

  • A assistente do CEO – Gabi Verran

 

  • Corina – Um naufrágio fez dela uma órfã – Laura Assis

 

  • Almanova – Jodi Meadows

 

  • Ainda existe amor em São Paulo – Amélia Lobo

 

  • Semáforos Poéticos – Catarina Maul

 

  • Procura-se uma babá – Kel Costa

 

  • Quebrando a tradição – Andrezza Mota

 

  • Quando é pra ser – Aline Sales

 

  • O que pra mim é errado – Aline Sales

 

  • Um acordo de Natal – Aline Sales

 

Já viram que os nacionais dominaram a minha lista, né?

Qual foi o último nacional que vc leu?

@fala.werneck_semaforos

 

O livro “Semáforos Poéticos” já começa nos encantando, com um poema mais bonito e reflexivo que o outro.

 

E assim notamos a delicadeza que existe na escrita da autora.

 

O poema que fala sobre não criarem idealizações, nos lembra que muitas mudanças surgem pelo caminho e precisamos aprender com elas, entender que é hora de mudar de direção.

 

O poema do café é o mais emocionante até agora e em poucas linhas mostra que a essência não fica escancarada, ela é singela e sutil.

 

A vida é tão impressionante e repleta de possibilidades. Por isso, podemos construir e nos desconstruir de infinitas maneiras, que assim nos mostrem algo novo, surpreendente, especial.

 

E tudo tem o seu tempo, como um semáforo, que lembra o momento de cada ação. Seja ela agir ou apenas esperar.

 

Outro poema marcante fala de futebol, mas é muito mais que isso. É um texto que mostra o quanto o povo consegue se unir para torcer em um jogo da seleção, mas “esquece” de manter essa força e união para construir um país no qual as pessoas possam viver melhor.

 

Comecei a leitura e não dá vontade de parar. A escrita da Catarina é adorável!

 

Agora me conte, qual foi o último poema que você leu?

 

@fala.werneck_procurase

 

Editora: Ler Editorial.

Páginas: 497.

 

Divirta-se!

 

A escrita da autora é ótima e este é mais um livro que diverte e nos conquista pela narrativa e pelos personagens.

 

Bruna é muito engraçada, um pouco distraída e logo nos cativa!

 

Acompanhamos a jornada dessa jovem que está indo para outro país trabalhar como babá e torcemos para que ela consiga se adaptar, manter o empego e também viver um grande amor.

 

Sophia é uma criança com a capacidade de enlouquecer os adultos com as suas peripécias, mas também é uma menina adorável, que demonstra afeto de uma forma genuína e não tem medo de falar o que pensa.

 

A criança vai superando o trauma pela perda da mãe com a babá e a Bruna vai amadurecendo muito e realmente aprendendo a amar essa menina tão necessitada de carinho.

 

A leitura nos distrai, diverte e emociona.

 

Mais um livro da autora que indico para todos que buscam um bom romance contemporâneo.

 

@fala.werneck_resenhaalerta

 

Editora: Faro Editorial.

Páginas: 251.

 

Família é tudo

 

“Alerta de Tempestade” é a continuação do livro “Pistas Submersas”.

 

A narrativa é envolvente desde as primeiras páginas e nos deixa curiosos sobre o que pode ter acontecido com o professor universitário aposentado que morreu.

 

Acompanhamos a detetive Karen buscando respostas, revendo familiares dos quais estava afastada e descobrindo que sua família pode estar mais envolvida na situação do que ela gostaria.

 

Além disso, conseguimos perceber que a detetive está aprendendo a conviver melhor com o seu passado doloroso e com as pessoas que são importantes para ela.

 

Os indícios indicam que o culpado teve motivações familiares para agir e, quando o segundo assassinato acontece, a corrida contra o tempo se torna mais eletrizante e o perigo se escancara diante da pessoa que descobre o que realmente aconteceu e fica cara a cara com um psicopata assustador.

 

Karen trabalha enquanto ainda está se recuperando do caso anterior, lida com a família e tenta ajudar uma amiga que está passando por um momento muito difícil.

 

E aquele favor que é pedido em um dos últimos capítulos tem um doce sabor de vitória e um pouco de justiça…

 

Um thriller investigativo que fala de confiança, família, orgulho e do que as pessoas são capazes para alcançar o que querem.

 

@fala.werneck_corinaquotes

 

Melhores Trechos

 

“Anote para a posteridade: nem todos os fantasmas de nosso passado servem para assustar.”

 

“A verdade, caro leitor, é que a vida sempre dá muitas voltas para aconchegar-se nos braços do óbvio.”

 

“Eu não posso prometer que as coisas vão acontecer como você espera, mas posso prometer que estarei com você para fazer dar certo.”

 

“Eu te entendo, respeito seu momento de silêncio como respeitou meus gritos e meu choro.”

 

“Corina, não sabemos o que o futuro nos reserva, mas sabemos que o passado não pode ter o poder de destruí-lo.”

 

“Seu alento, na verdade, era saber que tinha encontrado seu lar, seu lugar no mundo, no peito de alguém que também a amava ou viria a amar.”

 

“Acalme-se e respire fundo, você está onde deveria estar.”

 

“Quero estar ao seu lado não somente nesta batalha, mas em todas as batalhas que a vida impuser a nós dois, pois, agora não está mais sozinha.”

 

 

@fala.werneck_alertaprimimp

 

“Alerta de Tempestade” é a sequência do livro “Pistas Submersas”.

 

Tentarei comentar sem dar muitos spoilers, mas como neste livro encontraremos a detetive Karen de novo, algumas informações são essenciais.

 

Ela ainda está se recuperando depois de quase ter morrido durante a investigação anterior, está de licença médica durante essa época natalina, mas precisa voltar ao trabalho por causa de um assassinato que aconteceu em uma das ilhas.

 

Um professor universitário foi assassinado e, ainda que inicialmente parecesse ter sido um acidente, as pistas que provam o contrário começam a surgir.

 

E fica o mistério sobre o que estavam procurando na casa do professor aposentado e porquê alguém ia querer matá-lo.

 

Será que ele escondia algum segredo?

 

Gosto da representação cultural que está presente no livro e é tão diferente da nossa.

 

As características da cultura dos Vikings mostram um simbolismo antigo presente no cotidiano dessas pessoas da ilha, mas também os conflitos que sempre existem entre o “antigo” e o “novo”.

 

O barco de pedra, que é um monumento representando o costume funerário antigo, foi vandalizado e isso abalou Fredrik.

 

Será que a morte dele foi por algo relacionado a esse acontecimento?

 

Vou continuar a leitura e ver o que vem pela frente.

 

Agora me conte, qual foi o livro com representações culturais mais diferente que você já leu?

 

@fala.werneck_omolequeprimimp

 

Este é o meu primeiro contato com a obra do autor e já fui cativada pela sua escrita!

 

Na história iremos acompanhar Ricardo, um adolescente que decide largar a vida que tem e todos que conhece no engenho e partir para a cidade grande.

 

Ele acredita que lá a vida será melhor, que conseguirá encontrar um sentido maior para as coisas e que enfim descobrirá como é a realidade em um lugar tão diferente e do qual eles apenas ouvem falar.

 

Inicialmente, ele se vê acuado diante de um lugar tão agitado e plural, a sua saudade da mãe e dos irmãos é grande, mas aos poucos ele vai entrando na rotina e até esquecendo momentaneamente as saudades.

 

Os anos passam, a gente acompanha esse garoto crescendo e percebemos que as injustiças, a exploração continuam acontecendo, mesmo ele tendo saído de seu lugar de origem.

 

A leitura nos emociona e entristece por notarmos todo esse sofrimento, que nem sempre é propriamente percebido, e como em vários aspectos essas crianças precisam crescer tão rápido, pois o trabalho não espera e já exige força e dedicação.

 

Vou continuar a leitura e depois conto mais sobre o que estou achando…

 

Você conhece a escrita do autor?